Press "Enter" to skip to content

Posts published in “Figueira da Foz”

Editorial #56

Em sintonia com as lamentáveis condições meteorológicas que São Pedro nos tem brindado neste verão, resolveu a equipa do O Palhinhas deixar cair por terra a ideia inicial de dedicar esta edição ao turismo figueirense. Sossegue, leitor. Três nomes assim o ditaram. Manuel. Fernandes. Tomás.

Não será assim por acaso que este #56 vê a luz do dia a 24 de Agosto, data em que se celebra mais um aniversário – e vão 199! – da chamada revolução liberal, que o nosso conterrâneo liderou a partir do Porto juntamente com o seu grupo do Sinédrio, abrindo portas à elaboração da Constituição de 1822, e consagrando os princípios da liberdade e igualdade dos cidadãos.

A par da sua decisiva influência na sociedade dos nossos dias, elevando-o à categoria de Patriarca da Liberdade, importa sublinhar as características que o definiram como um homem ímpar, e que hoje, mais do que nunca, convém relembrar, pelas cuidadas palavras de José Hermano Saraiva: Um homem de uma irredutível honestidade. Àquelas mãos pode-se entregar ouro em pó.

Se, nessa altura, era já uma excepção em Portugal, hoje será uma agulha num palheiro. Só por isso, é primordial evocá-lo, tal qual como este verão: faça chuva ou faça sol.

#56

Entrevista: Ticha Penicheiro – da Figueira da Foz para o Hall of Fame

texto de Pedro Silva

Quando, com apenas 5 anos, a Patrícia pegou pela primeira vez numa bola de basket, dificilmente alguém imaginaria que esse primeiro contacto se transformaria hoje na nomeação para o Hall of Fame, onde chegam apenas aquelas que fizeram algo de extraordinário no basquetebol feminino. Como se explica a uma menina que está agora a começar no basket que é possível chegar ao topo?

Penso que sou um exemplo disso. Nasci na Figueira da Foz, em Portugal, num país sem grande historial no basket feminino. Comecei a jogar desde pequenina, no meio de rapazes. Consegue-se chegar longe com muito trabalho, muita dedicação, uma grande paixão pela modalidade e um acreditar na concretização dos nossos sonhos, trabalhando sempre para que eles se concretizem e se consiga ser sempre melhor.

Patrícia Penicheiro – ou simplesmente Ticha – deu os primeiros importantes passos para o basket na Figueira da Foz. Era comum encontrá-la no concorrido Campo das Traseiras, bem perto do Parque das Abadias, a competir com rapazes mais velhos, mais fortes, mais altos.

Posso dizer que viver nas Abadias foi decisivo para a minha carreira. Infelizmente em Portugal não existem muitos campos de rua (os playground) e eu tive bastante sorte porque bastava atravessar a estrada e estava no playground, onde passei muitas horas, muitos dias, a jogar e a lançar ao cesto. Por vezes era a única rapariga no meio dos rapazes, no famoso Campo das Traseiras, e foi aí que tudo começou. E claro, viver nas Abadias foi óptimo! Tinha um parque em frente a minha casa, onde podia jogar futebol, correr, praticar desporto, estar ao ar livre. Mas a melhor coisa de todas foi decididamente ter o Campo das Traseiras mesmo ali ao lado.

Começa a adivinhar-se um futuro risonho na modalidade, mas ainda nada que se assemelhasse ao topo da liga norte-americana, onde acabou por conquistar o maior dos títulos pelas Sacramento Monarchs. Do Ginásio Figueirense desde menina, passa pela União de Santarém e aos 19 anos parte para a Universidade de Old Dominion com uma bolsa de estudo. Longe de amigos e familiares, a um oceano de distância da cidade natal, o ousado passo sofre traços de incerteza. As aulas em inglês assustam, o ritmo de treinos é avassalador e, numa época com poucas facilidades tecnológicas, as saudades apertam. Como se convive com um sonho desafiante, mas de destino incerto?

Eu costumo sempre dizer às crianças e adolescentes para que sonhem alto e acreditem nos seus sonhos. Mas os resultados não caem do céu, não basta sonhar. É precisar nós trabalharmos, darmos o nosso máximo. No meu caso eu queria ser a melhor jogadora de basket, tentar vingar nos Estados Unidos, primeiro na Universidade e depois nos profissionais. O sonho pode ser outro qualquer. Mas terá obrigatoriamente que se fazer acompanhar por muito trabalho.

A facilidade de adaptação e a enorme capacidade de superação ajudam-na a ultrapassar obstáculos. Chega à WNBA, a mais importante liga feminina do mundo, e durante 12 épocas conquista Sacramento com a ajuda das suas Monarchs, onde alcança o título máximo e acumula assinaláveis marcas individuais. Nos intervalos da liga americana, saltita pela Europa, onde preenche o seu brilhante currículo desportivo com títulos nos mais competitivos campeonatos. Ticha termina a carreira em 2012, aos 38 anos, e coloca o ponto de exclamação no mais bonito capítulo da história do basquetebol português, com a nomeação para o Hall of Fame em Fevereiro último.

Foi um orgulho imenso, o de poder continuar a levar o nome de Portugal e da Figueira da Foz bem alto aqui pelos Estados Unidos. Só entra no Hall of Fame quem de facto contribuiu de uma maneira excepcional para o desenvolvimento do desporto, neste caso o basket feminino. E então, claro, é uma grande honra e uma sensação espetacular. O que há mais para alcançar? Há outra Hall of Fame, que inclui basket feminino e masculino, que é o Hall of Fame de Massachusetts. Isso seria o top!

PARA RECEBER O PALHINHAS:

O peculiar sentido de humor da publicidade responsável

A empresa que venceu o concurso de publicidade exterior da Figueira da Foz, para além de mostrar uma incrível pujança em plantar pela cidade uma assustadora centena de outdoors em formato monstro-perneta, oferece-nos um extraordinário momento, do mais belo e refinado humor urbano que tem passado pelos nossos olhos.

Agradecemos a deixa. Alertamos, no entanto, que a laranja que temos visto por aí não se tem apresentado em grandes condições. E numa altura em que a rosa se confinou ao seu estado mais murcho, não podemos deixar de perguntar: mas que cor nos pode salvar?